28/10/2016

Evangelho e comentário


Tempo Comum

São Simão, São Judas – Apóstolos

Evangelho: Lc 6, 12-19

12 Naqueles dias Jesus retirou-se para o monte a orar, e passou toda a noite em oração a Deus.13 Quando se fez dia, chamou os Seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de Apóstolos:14 Simão, a quem deu o sobrenome de Pedro, seu irmão André, Tiago, João, Filipe, Bartolomeu,15 Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Simão, chamado o Zelote,16 Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes, que foi o traidor. 17 Descendo com eles, parou numa planície. Estava lá um grande número dos Seus discípulos e uma grande multidão de povo de toda a Judeia, de Jerusalém, do litoral de Tiro e de Sidónia,18 que tinham vindo para O ouvir, e para ser curados das suas doenças. Os que eram atormentados pelos espíritos imundos ficavam também curados.19

Comentário:

Quem são estes doze homens que Jesus escolhe? Pessoas inteligentes, de boa posição social, conhecidos pelos seus dotes de chefia e liderança?

São uns homens simples talvez com uma característica comum aos pescadores, têm paciência, estão habituados ao trabalho duro, árduo, esgotante tantas vezes sem resultado compensador. E tentam uma e outra vez, sem desanimar, sempre com a esperança renovada numa captura de peixe abundante que compense esses outros dias de pesca escassa.

Um outro, até, nem é muito bem visto pelos seus conterrâneos, a profissão que exerce – cobrador de impostos – é antipática e, não poucas vezes – leva ao aproveitamento pessoal do que lhe não pertence.
Aquele é um jovem, sem qualquer experiência da vida, com um coração puro e disponível para uma entrega sem condições.


Estoutro é alguém de uma palavra só, em quem não existe duplicidade e, até escolhe um que irá traí-lo de forma miserável.

E o que lhes destina? Conduzir a Igreja que irá fundar, desde o primeiro dia de tal forma sólida e perseverante, arrostando contra todas as dificuldades, obstáculos de toda a ordem e sacrifícios inauditos que chegaram, quase todos a dar a própria vida.

Eles deram tudo quanto tinham numa entrega sem limites, Cristo deu-lhes tudo o resto que lhes faltava para levarem a cabo a gigantesca tarefa que iria pesar sobre os seus ombros.

Sabemos muito bem que, esta escolha de Jesus se revelou um êxito. A Igreja é a prova disso, nós, todos os cristãos, somos os beneficiários dessa escolha.

(ama, comentário sobre Lc 6, 12-19, 2010.09.07)








Sem comentários:

Enviar um comentário