26/08/2016

Evangelho e comentário


Tempo Comum

Evangelho: Mt 25, 1-13

1 «Então, o Reino dos Céus será semelhante a dez virgens, que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. 2 Cinco delas eram néscias, e cinco prudentes. 3 As cinco néscias, tomando as lâmpadas, não levaram azeite consigo; 4 as prudentes, porém, levaram azeite nas vasilhas juntamente com as lâmpadas. 5 Tardando o esposo, começaram todas a cabecear e adormeceram. 6 À meia-noite, ouviu-se um grito: “Eis que vem o esposo! Saí ao seu encontro”. 7 Então levantaram-se todas aquelas virgens, e prepararam as suas lâmpadas. 8 As néscias disseram às prudentes: “Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas apagam-se”. 9 As prudentes responderam: “Para que não suceda que nos falte a nós e a vós, ide antes aos vendedores, e comprai para vós”. 10 Mas, enquanto elas foram comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele a celebrar as bodas, e foi fechada a porta. 11 Mais tarde, chegaram também as outras virgens, dizendo: “Senhor, Senhor, abre-nos”. 12 Ele, porém, respondeu: “Em verdade vos digo que não vos conheço”.13 Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.

Comentário:

Quem ler este trecho do Evangelho com espírito "retorcido" poderá ser levado a considerar que, afinal, ele faz a apologia do egoísmo.
Não dividir o azeite com as que precisavam é o que parece ser a grande ilação a tirar.
De facto, repartir com os outros do que se tem e não só do que sobra, é a verdadeira caridade, a misericórdia mais perfeita.

Só que, aqui, não é disso que se trata.

O que o Evangelho demonstra é a necessidade de estar preparado evitando a todo o custo a "aventura" de deixar para a última hora - que nunca se sabe quando chega - o que se deve ir fazendo todos os dias.

Por outro lado, há que ter em conta que não pode haver nenhum motivo ou "razão" que nos leve a pôr em risco a própria salvação que tem de estar acima de qualquer outro sentimento, mesmo nobre, seja ele qual for.

(ama, comentário sobre Mt 25, 1-13, 09.08.2011)








Sem comentários:

Enviar um comentário