27/07/2017

Fátima: Centenário - Vida de Maria - 38


Centenário das aparições da Santíssima 

Virgem em Fátima


O nascimento de Jesus



A VOZ DOS PADRES

«O que significa que, quando o Senhor nascer se faça o censo do mundo, senão que aparecia na carne Aquele que havia de realizar o censo dos Seus eleitos para a eternidade? Em vez disso, dos réprobos se afirma pelo profeta: sejam riscados do livro dos vivos e não se inscrevam os seus nomes entre os justos [i].
Também era conveniente que nascesse em Belém, porque Belém significa "casa do pão"; e precisamente é Ele próprio quem diz: Eu sou o pão vivo que desceu do Céu [ii]. Portanto, o lugar onde nasce o Senhor já antes tinha sido chamado casa do pão, porque, efectivamente, havia de verificar-se que quem saciaria interiormente as almas apareceria ali na substância da carne.

E não nasce na casa dos Seus pais, mas no caminho, para mostrar que na realidade nascia como que emprestado na Sua humanidade que tinha tomado. De emprestado, digo, ou no alheio, não me referindo à Sua potestade, mas à natureza; porque da Sua potestade está escrito: veio para o que era Seu [iii]; e pelo que se refere à Sua natureza, na Sua nasceu antes dos tempos, na nossa veio no tempo. Portanto, o que, permanecendo eterno, se mostrou no tempo, é alheio a onde desceu.

E como pelo profeta se diz: toda a criatura é como a erva [iv], ao fazer-Se homem converteu a nossa erva em grão, o que diz de Si mesmo: se o grão de trigo, depois de lançado à terra, não morre, fica infecundo [v]. Por isso, ao nascer é deitado numa manjedoura, para alimentar com o trigo da Sua carne todos os fiéis, ou seja, os santos animais, de modo que não permaneçam em jejum do sustento da sabedoria eterna».

São Gregório Magno (século VI). Homilia 8 sobre os Evangelhos.




[i] Sal 68/69, 29
[ii] Jo 6, 51
[iii] Jo 1, 11
[iv] Is 40, 6
[v] Jo 12, 24

Sem comentários:

Enviar um comentário