10/06/2017

Evangelho e comentário

Tempo Comum

Santo Anjo da Guarda de Portugal

Evangelho: Lc 2, 8-14

8Na mesma região encontravam-se uns pastores que pernoitavam nos campos, guardando os seus rebanhos durante a noite. 9Um anjo do Senhor apareceu-lhes, e a glória do Senhor refulgiu em volta deles; e tiveram muito medo. 10O anjo disse-lhes: «Não temais, pois anuncio-vos uma grande alegria, que o será para todo o povo: 11Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias Senhor. 12Isto vos servirá de sinal: encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.» 13De repente, juntou-se ao anjo uma multidão do exército celeste, louvando a Deus e dizendo: 14«Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do seu agrado.»

Comentário:

Hoje, dia de Portugal, a Liturgia põe à nossa consideração a figura do Anjo que em Fátima preparou os Pastorinhos para a vinda da Mãe do Céu.

De alguma forma ficou associado a essa gesta extraordinária que veio modificar para sempre este País velho de séculos.
Não está imune, bem pelo contrário, aos esforços desenvolvidos tantos que querem um país e um povo sem Fé e sem prática da Fé mas, aos milhares este povo acorre a Fátima indiferente ao que dizem, às intempéries e outros incómodos, sabe, confia absolutamente na Senhora que trouxe uma mensagem de paz e amor.

Anjo de Portugal, vela por este povo, este País, não deixes que trilhe os ínvios caminhos que levam à perdição, que se mantenha fiel à Fé e à Santa Igreja.

(AMA, comentário sobre Lc 2, 8-14, Convento em Monte Real, 10.06.2016)






Sem comentários:

Enviar um comentário