11/05/2017

Leitura espiritual

A CIDADE DE DEUS 

Vol. 2

LIVRO XIII

CAPÍTULO XX

A carne dos santos, que agora repousa na esperança, será restabelecida numa condição melhor do que foi a dos primeiros homens antes do pecado.

Por isso as almas dos santos defuntos não têm agora como pesada a morte que os separou de seus corpos porque a sua carne repousa na esperança, quaisquer que tenham sido os ultrajes recebidos quando já estavam sem sensibilidade. Não é devido ao esquecimento, como pareceu a Platão, que elas desejam os seus corpos, mas é antes porque se recordam da promessa feita por Aquele que a ninguém engana e que até a integridade dos cabelos lhes garantiu que eles esperam ardente e pacientemente a ressurreição dos corpos, nos quais sentiram tantas provas que não voltarão mais a sentir. Se, de facto, elas não odiaram a sua carne ao refrearem-na em nome dos direitos do espírito, quando na sua fraqueza ela se opunha ao espírito, — quanto mais a amam elas ao pensarem que até ela será espiritual! Assim como o espírito que serve a carne é, de certo modo, considerado «carnal», assim também será considerada «espiritual» a carne, não porque ela se venha a transformar em espírito como alguns concluem do que está escrito:

Semeia-se um corpo animal, ressuscitará um corpo espiritual. [i]

mas porque ela obedecerá ao espírito com total e maravilhosa facilidade ao ponto de nisso encontrar a alegria definitiva dum a indissolúvel imortalidade: já não experimentará a doença, nem a corruptibilidade, nem o entorpecimento.

O corpo não será já o que é agora quando goza de saúde, nem será mesmo o que foi nos primeiros homens antes do pecado. Estes, embora não viessem a morrer se não tivessem pecado, utilizavam-se, porém, de alimentos como homens que eram em corpos não espirituais, mas ainda animais e terrestres. A vetustez não os envelheceria até os levar fatalmente à morte (este estado de vida era-lhes maravilhosamente concedido pela graça de Deus, mediante a árvore da vida que estava no meio do Paraíso junto com a árvore proibida). Tomava, porém, outros alimentos com excepção daquela árvore que lhes tinha sido proibida, — não porque isso fosse um mal, mas porque era preciso recomendar o bem da pura e simples obediência que é a grande virtude da criatura racional submetida ao Criador, seu Senhor. De facto, quando em nada de m au se tocava, com certeza que se se tocasse no que era proibido, só a desobediência é que constituía pecado.

Alimentavam-se, portanto, dos outros frutos que com iam para evitarem aos seus «corpos animais» os sofrimentos da fome e da sede. Saboreavam os frutos das árvores da vida para evitarem que a morte surgisse sorrateiramente, mesmo no termo duma longa velhice. Era como se as outras servissem de alimento e esta de sacramento; como se a árvore da vida representasse no Paraíso terrestre o que é no espiritual, isto é, no paraíso inteligível da m ente, a Sabedoria de Deus da qual está escrito:

Para quem a abraça é uma árvore da vida.[ii]

CAPÍTULO XXI

O Paraíso onde estiveram os primeiros homens simboliza, sem dúvida, realidades espirituais, contanto que se salvaguarde a verdade histórica acerca do lugar corporal.

Alguns reduzem a um sentido espiritual tudo o que, com verdade, a Escritura Sagrada conta do próprio Paraíso onde viveram os primeiros homens, pais do género humano. Para eles essas árvores e plantas frutíferas convertem-se em virtudes e hábitos de vida, como se nada de visível ou de corpóreo aí houvesse e tudo tenha sido dito ou escrito para figurar realidades da mente. Com o se o Paraíso não pudesse ter sido corporal só porque pode ser também entendido num sentido espiritual; como se não tivessem existido duas mulheres — Agar e Sara — com dois filhos de Abraão, um nascido da escrava e outro da mulher livre, só porque, segundo o Apóstolo, elas figuram os dois testamentos; ou então que da pedra percutida por Moisés nenhuma água teria jorrado, só porque se pode ver nisso a figura de Cristo, conforme o mesmo Apóstolo diz:

Mas a pedra era Cristo.[iii]

De facto, nada impede que se veja — no Paraíso: a vida dos bem-aventurados;

— nos seus quatro rios: as virtudes da prudência, da fortaleza, da temperança e da justiça;

— nas suas árvores: todas as ciências úteis;

— nos frutos dessas árvores: os costumes dos homens piedosos;

— na árvore da vida: a própria sabedoria, mãe de todos os bens;

— na árvore da ciência do bem e do mal: a experiência do mandamento violado. Realmente, a pena que Deus infligiu aos pecadores é, efectivamente, boa por ser justa, mas não é para seu bem que o homem a experimenta.

Tudo isto se pode entender ainda melhor na Igreja, como outros tantos sinais proféticos de acontecimentos futuros:

assim o Paraíso — seria a própria Igreja, com o se lê no Cântico dos Cânticos;

os quatro rios do Paraíso — seriam os quatro Evangelhos;

as árvores frutíferas — os santos;

os frutos — as suas boas obras;

a árvore da vida — o Santo dos Santos, isto é, Cristo;

a árvore da ciência do bem e do mal — o livre arbítrio.

é que, realmente, o homem, depois de ter desprezado a vontade divina, não pode fazer de si próprio mais do que um uso pernicioso, e aprende assim quão diferentes são o apego ao bem com um e a complacência no bem próprio. Efectivamente, amando-se a si próprio, a si próprio se entrega e, por isso, cheio de terror e de tristeza, canta com o salmista, se está consciente dos seus males:

Voltando a si, a minha alma perturba-se,[iv]

e já arrependido exclama:

Em ti depositei a minha fortaleza. [v]

Nada há que impeça estas e outras semelhantes interpretações espirituais do Paraíso, se as houver, contanto que se creia fielmente na verdade histórica dos factos apresentados pela narrativa.


(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)





[i] 1 Cor., XV, 42.
[ii] Prov., III, 18.
[iii] I Corínt., X, 4.
[iv] Salmo LVIII, 10.
[v] Salmo, I.VIII, 10.

Sem comentários:

Enviar um comentário