21/05/2017

Epístolas de São Paulo – 82

2ª Carta a Timóteo

Das três Cartas Pastorais, esta é a que contém mais informações de ordem pessoal, quer no que diz respeito a Paulo (1,12.15-18; 3,10; 4,6-8.16-18), quer aos seus destinatários (1,5; 2,17; 3,15; 4,9-15.19-22). Estes elementos, aliados ao facto de ser esta a Carta Pastoral que menos se afasta do estilo paulino, constituem um sério argumento em favor de uma autoria, pelo menos parcial, do Apóstolo, quer sob a forma de um escrito seu que tenha sido posteriormente completado, quer de indicações dadas a um secretário que se encarregou da redacção (ver Introdução às Cartas Pastorais, p. 1949-1950). De qualquer modo, na sua forma actual, esta Carta dificilmente pode ser atribuída a Paulo, na sua totalidade; os dados de natureza pessoal, habitualmente considerados fidedignos, podem ser fruto de informações orais sobre a última fase da vida do Apóstolo.

DIVISÃO E CONTEÚDO
A Carta tem a seguinte estrutura:
Saudação e acção de graças (1,1-5), que introduzem o tema central, enquadrado por duas exortações solenes a Timóteo, para que renove a graça do ministério pastoral que lhe foi confiado (1,6-18; 4,1-5).
Parte central: é um aprofundamento da missão de Timóteo (2,1-13), contraposta à dos falsos mestres (2,14-26) e exercida num ambiente de indiferença e hostilidade (3,1-17). O testemunho do próprio Paulo, que se sente já no crepúsculo de uma vida inteiramente dedicada ao Evangelho e espera concluí-la na fidelidade à sua missão (4,6-8), constitui exemplo e encorajamento para todos os pastores.

Conclusão: tem algumas recomendações e pedidos (4,9-18) e uma saudação final (4,19-22).

Sem comentários:

Enviar um comentário