20/04/2017

Leitura espiritual

A Cidade Deus
A CIDADE DE DEUS


Vol. 2

LIVRO XI

CAPÍTULO XXXIII

Duas sociedades angélicas distintas e opostas que, com razão, se podem chamar luz e trevas.

Que alguns anjos pecaram e foram precipitados nos abismos deste mundo que para eles se tornou como que um cárcere até à sua derradeira condenação no dia do juízo — é o que clarissimamente mostra o apóstolo Pedro quando diz que Deus não poupou os anjos pecadores e os encerrou nos tenebrosos cárceres do Inferno, conservando-os para serem castigados no dia do juízo. Quem pode duvidar de que entre estes anjos pecadores e os outros estabeleceu Deus, na sua presciência, ou de facto, a separação e que, com justiça, aos outros chamou luz? Mesmo nós, que vivem os ainda na fé e na esperança de nos tornarmos a eles iguais, sem ainda o termos conseguido, somos já apelidados de luz pelo Apóstolo ao dizer:

Houve tempo em que fostes trevas, mas agora sois luz
no Senhor.
[i]

Mas que os anjos desertores têm sido com toda a clareza chamados trevas, sem dúvida que o notam todos os que crêem ou sabem que eles são piores que os homens infiéis.

E por isso que, ainda que fosse preciso ver uma outra luz nesta passagem desse livro onde se lê:

Deus disse: Faça-se a luz e a luz fez-se [ii]

e outras trevas onde está escrito:

Deus separou a luz das trevas [iii]


— para nós, todavia, há duas cidades de anjos:
uma que goza de Deus, e outra que intumesce de
orgulho;

uma à qual se diz:

Adorai-o todos vós seus anjos [iv]

e outra cujo chefe diz:

Tudo isto te darei se prostrado me adorares;[v]

uma abrasada no santo amor de Deus, e outra ardendo num amor impuro da sua própria grandeza. E porque, segundo está escrito:

Deus resiste aos soberbos e concede a sua graça aoshumildes,[vi]

uma habita no mais alto dos Céus 

— a outra foi de lá expulsa e anda a causar a desordem nas regiões inferiores do céu aéreo;

uma é tranquila na piedade luminosa 

— a outra turbulenta nas suas tenebrosas paixões;

uma, atenta aos sinais de Deus, socorre com clemência e executa com justiça 

— a outra, sob o aguilhão do orgulho, ferve em desejo de dominar e de prejudicar;

uma, por todo o bem que pretende fazer, põe-se ao serviço da bondade de Deus

 — a outra, com medo de não fazer todo o mal que pretende, é retida pelo freio do poder de Deus;

uma faz troça da segunda quando, com pesar desta, tira proveito das suas perseguições — esta inveja a primeira ao vê-la recolher os seus peregrinos.

Portanto, para nós estas duas cidades de anjos, desiguais e contrárias, uma boa por sua natureza e vontade, a outra boa por sua natureza e má por sua vontade, cremos, segundo outros testemunhos mais claros das Sagradas Escrituras, que, ainda nesse livro chamado Génesis, elas são designadas pelas palavras luz e trevas. Mesmo que quem isto escreveu lhes tenha dado nesta passagem outra significação, não creio que tenha sido inútil ter sondado a obscuridade do seu pensamento: se não penetrámos na intenção do autor desse livro, pelo menos não nos afastámos da regra de fé que é tão bem conhecida dos fiéis através de outras passagens das Sagradas Escrituras com a mesma autoridade. Embora, na verdade, as obras de Deus aqui mencionadas sejam corpóreas, não há dúvida de que têm certa semelhança com as realidades espirituais conforme disse o Apóstolo:

Vós sois todos filhos da luz, filhos do dia; nós não somos filhos da noite nem das trevas.[vii]

Se é assim que também pensa quem isto escreveu, a nossa intenção alcançou o perfeito fim da disputa; na verdade, não é de crer que um homem de Deus, penetrado de sabedoria divina, ou melhor, o Espírito de Deus nele, ao enumerar as obras de Deus até ao seu completo acabamento no sexto dia, tenha deixado de mencionar os anjos, qualquer que seja o sentido da passagem:

No princípio fez Deus o Céu e a Terra.[viii]

quer «no princípio» (in principio) queira dizer que foram os primeiros a serem criados — quer «no princípio» queira dizer (o que é mais provável) que Deus os tenha feito no Verbo, seu Filho único. Estas palavras «o Céu e a Terra»

— designam a criação universal não só do espiritual mas

também do corpóreo, ou então (o que é mais provável) designam as duas grandes partes do mundo que englobam todos os seres criados: de modo que a Escritura, primeiro, apresenta-nos o conjunto e, logo a seguir, as partes do mundo segundo o número místico dos seis dias.


(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)





[i] Efes.V,8.
[ii] Gen I, 3.
[iii] Ibid.
[iv] Salmo XCVI, 8.
[v] Mt IV, 9.
[vi] Tiago IV, 6.
[vii] Tess.V, 5.
[viii] Gen. I, 1.

Sem comentários:

Enviar um comentário