10/03/2017

Reflectindo - 233

Juízo

Sonhei com a minha morte e, de certa forma bizarra, percebi que estava a ficar preocupado com algo que, sei, vai acontecer: o ‘interrogatório’ que o Senhor me fará!

O que vou responder? Como vou responder?

Penso que poderia usar um pequeno (grande) ‘truque’ e usar as palavras de Pedro: «Tu, Senhor, Tu sabes tudo! Porque me interrogas?»

Mas, talvez, Ele vá insistir em obter respostas concretas.

Tenho ali, a meu lado, o meu Anjo da Guarda e olho para ele num apelo mudo e um pouco aflito.
Inclina-se sobre o meu ombro e segreda-me: “Ne timeas…” responde…»

Assim, de repente, penso que isso é bem fácil de dizer, mais a mais a um Anjo: Não temas! Grande coisa!!!
Não tive tempo de lhe explicar que não tenho medo, sim… na verdade, não tenho medo!
Tenho a convicção absoluta que este chamamento final, derradeiro, do Senhor se deve à Sua Misericórdia. Muito provavelmente terá decidido fazê-lo pensando:

“Chamemos este desgraçado antes que faça mais disparates!!!”

Ou seja… provavelmente não estava ‘pronto’, quero dizer, não tinha tudo em ordem, arrumado, muito certinho… seria só chegar ali e mostrar, abrir o livro e… pronto…
Mas… não! O livro é Ele Quem o tem nas Suas mãos. Tem setenta e tal páginas escritas em letra bem nítida e compreensível. Consigo ver muitos pontos de exclamação e, isto, preocupa-me um pouco porque não sei se se devem a uma apreciação positiva ou negativa.

Depois vejo a Senhora!
Radiante, linda, sereníssima.

Tem um enorme marcador verde na mão direita e, debruçando-se sobre o livro começa a sublinhar frases inteiras, às vezes, períodos extensos.

Fico fascinado e expectante enquanto a Senhora, tranquilamente, vai passando página após página sempre sublinhando, sem qualquer hesitação palavras após palavras.

De soslaio olho para o meu Anjo que me sorri de volta: “Ne timeas…”

O Filho não diz nada, observa atentamente a ‘tarefa’ da Sua Mãe. Parece-me que já está habituado a estas coisas e, espera, pacientemente, até que, nas Suas mãos, fica um livro cheio de marcas verdes. Uma coisa inacreditável!

Fico, também, calado, pois que hei-de eu dizer?

Finalmente, este maravilhoso interregno, acaba e, eu, fico à espera do tal ‘interrogatório’.

Mas… O Senhor, não diz nada. Fecha o livro e entrega-o ao meu Anjo para que o guarde na grande Estante dos Livros da Vida dos Homens.

Olha para mim uns brevíssimos momentos como se uma pequena hesitação o assaltasse mas, logo de imediato, estende-me a Sua Mão e diz-me simplesmente:

“Vem!”


(ama, reflexões, 2013.06.25)

Sem comentários:

Enviar um comentário