12/08/2016

Reflectindo - 192

Carácter

Aqui na Igreja dedicada a São Bartolomeu lembro de modo particular as palavras de Cristo: eis um israelita em quem não há duplicidade!
Lembro e guardo como um dos maiores elogios que alguém pode re­ceber.
Ser homem de uma só palavra, em quem se pode confiar, credor de segura identidade e comportamento, sem oscilações de humor, não influenciável pelas circunstâncias ou acontecimentos, com uma intei­reza de carácter a toda a prova.

"Invejo" Bartolomeu, mas, pensando bem o que eu quero é ser como ele.
Que estes dias que a bondade do Senhor me permitir passar em Malta sirvam para este exame que preciso, esta reconvenção que me é ne­cessária.
Tenho tempo, tranquilidade, tudo quanto preciso para aproveitar de facto esta oportunidade que o Senhor me oferece.
Regressar a casa um bocadinho melhor, quem dera mais simples, cor­recto, verdadeiro.

Regressar Santo?

Porque não?

Só depende de mim!

O Senhor está aqui para me ajudar, assistir e guiar, no fim e ao cabo, parece-me que a principal tarefa é a dele, a minha, é apenas ser dócil, atento e muito, muito simples.

Ser assim como a minha neta Vera que amanhã fez nove anos e confia absolutamente na sua mãe para a guiar e levar pelos melhores cami­nhos.
Vou tentar aprender com ela ficar contente com as coisas pequenas que satisfazem uma criança, sentir a grandeza de um amor natural porque é verdadeiro incondicional e constante.


(ama, Malta, 24.04.2016)

Sem comentários:

Enviar um comentário