23/06/2018

Tratado das virtudes


Questão 64: Do meio-termo das virtudes.

Em seguida devemos tratar das propriedades das virtudes. E, primeiro, do meio-termo das virtudes. Segundo da conexão das virtudes. Terceiro, da qualidade delas. Quarto, da duração das mesmas.

Sobre a primeira questão discutem-se quatro artigos:
Art. 1 — Se a virtude moral consiste num meio-termo.
Art. 2 — Se o meio-termo da virtude moral é o meio-termoda razão ou o da coisa.
Art. 3 — Se as virtudes intelectuais consistem num meio-termo.
Art. 4 — Se a virtude teológica consiste num meio-termo.

Art. 1 — Se a virtude moral consiste num meio-termo.
([1])
O primeiro discute-se assim. — Parece que a virtude moral não consiste num meio-termo.

1. — Pois, a noção de termo último repugna a de termo médio. Ora, da essência da virtude é ser termo último, conforme a opinião de Aristóteles, que a virtude é, na potência, o último ([2]). Logo, a virtude moral não consiste num meio termo.

2. Demais. — O máximo não é médio. Ora, certas virtudes morais tendem ao máximo; assim, a magnanimidade versa sobre as honras máximas, e a magnificência, sobre as máximas despesas, como se disse2. Logo, nem toda virtude moral consiste num meio termo.

3. Demais. — Se é da essência da virtude moral consistir num meio-termo, necessariamente ela deve destruir-se e não aperfeiçoar-se; quando tende para um extremo. Ora, algumas virtudes morais se aperfeiçoam tendendo para o extremo; tal o caso da virgindade, que tende para o extremo, abstendo-se de todo prazer venéreo e constituindo assim a castidade perfeitíssima; e em dar tudo aos pobres consiste a misericórdia perfeitíssima ou liberalidade. Logo, não é da essência da virtude moral consistir num meio-termo.

Mas, em contrário, diz o Filósofo, que a virtude é um hábito electivo consiste num meio-termo ([3]).


Como do sobredito resulta ([4]), a virtude por essência ordena o homem para o bem. E a virtude moral, propriamente, aperfeiçoa parte da alma em relação a uma determinada matéria. Ora, a medida e a regra do movimento apetitivo em relação aos objectos de apetição é a razão. Por outro lado, o bem de tudo o sujeito à medida e à regra consiste em conformar-se com a sua regra; assim, o bem das coisas artificiadas está em seguir a regra da arte. E por consequência, nesses casos, o mal consiste na discordância da regra ou medida própria; o que se pode dar por sobre-excedência ou deficiência em relação à medida, como se vê manifestamente em tudo o medido ou regulado. E portanto, é claro que o bem da virtude moral consiste numa adequação com a medida da razão. Ora, é claro que, entre um excesso e um defeito, o meio-termo é a igualdade ou conformidade. Por onde é manifesto que a virtude moral consiste num meio-termo.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJECÇÃO. 
— A virtude moral tira a sua bondade da regra racional; e tem como matéria as paixões ou operações. Ora, se compararmos a virtude moral com a razão, a sua conformidade com esta coloca-a num como extremo, ocupando o outro extremo a não conformidade com a razão, por excesso ou por defeito. Se porém considerarmos a matéria da virtude moral, ela constitui um meio-termo, porque reduz a paixão à regra racional. E por isso, o Filósofo diz, que a virtude é, por substância, um termo médio ([5]), enquanto impõe a sua regra à matéria própria; por outro lado, enquanto sendo o que é óptimo e bom, i. é, enquanto conforme com a razão, ocupa um extremo.

RESPOSTA À SEGUNDA. 
— O médio e o extremo dos actos e das paixões dependem de diversas circunstâncias. Donde, nada impede constitua uma virtude um extremo, quanto a uma circunstância, e um meio, quanto a outras circunstâncias, pela sua conformidade com a razão. Tal é caso da magnificência e da magnanimidade. Pois, se levarmos em conta a quantidade absoluta do objecto para que tende o magnífico e o magnânimo, essas virtudes constituem um extremo e um máximo. Mas, se o considerarmos em relação a outras circunstâncias, constituirão um meio; pois tendem para um máximo que é a conformidade com a regra da razão e consiste em agir onde, quando e por causa do que importa; constituirão um excesso se tenderem para um máximo consistente em agir quando, onde ou por causa do que importa; e, enfim, um defeito se não tenderem para um máximo consistente em agir onde e quando é necessário. E é isto que diz o Filósofo: o magnânimo, pela sua magnanimidade, está constituído num extremo; mas por agir como deve, está num meio-termo ([6]).

RESPOSTA À TERCEIRA. 
— O que dizemos da magnanimidade dizemos também da virgindade e da pobreza. Pois, a virgindade abstém-se de todos os prazeres venéreos, e a pobreza, de todas as riquezas, por causa do que e segundo o que isso é necessário, a saber, segundo a ordem de Deus e por causa da vida eterna. E se isso se der por obediência ao que não deve ser, i. é, por alguma superstição ilícita ou ainda por vanglória, teremos agido inutilmente. Se, por outro lado, o fizermos quando não é necessário ou por obediência indevida, haverá vício por defeito, como o manifestam os transgressores do voto de virgindade ou de pobreza.

(Revisão da versão portuguesa por AMA)



[1] (IIª-IIªe, q. 17, a. 5, ad 2 ; III Sent., dist. XXXIII, q. 1, a. 3, qª 1 De Virtut., q. 1, a. 13; q. 4. a_ 1, ad 7 ; II Ethic., lect. VI, VII).
[2] I De caelo (lect. XXV).
[3] IV Ethic. (lect. VI sqq.).
[4] II Ethic. (lect. VII).
[5] Q. 55, a. 3.
[6] II Ethic., lect. VII.