22/05/2017

Leitura espiritual

A CIDADE DE DEUS

Vol. 2

LIVRQ XIV

CAPITULO IX

Perturbações da alma cujos rectos movimentos se encontram na alma dos justos.

No nono livro desta obra já respondemos a esses filósofos acerca desta questão das perturbações da alma, mostrando que eles, apegando-se mais às palavras do que aos factos, preferem a discussão à verdade. Entre nós, porém, segundo as Sagradas Escrituras e a sã doutrina, os cidadãos da Cidade de Deus, que vivem como a Deus apraz na peregrinação desta vida, tem em e desejam, entristecem-se e regozijam-se — e, como é recto o seu amor, rectos são também estes afectos. Temem o eterno castigo, desejam a vida eterna; entristecem -se com o presente porque gemem ainda em si próprios, esperando a adopção divina e a redenção de seus corpos; regozijam-se na esperança porque há-de cumprir-se

a palavra que foi escrita: a morte foi absorvida pela
vitória.
[i]

De igual modo — receiam pecar, desejam perseverar; entristecem-se dos seus pecados, regozijam-se das suas boas obras. Receiam pecar porque ouvem:

Porque abundará a iniquidade, arrefecerá a caridade de
muitos;
[ii]

desejam perseverar ao ouvirem o que está escrito:

0 que perseverar até ao fim será salvo;[iii]


entristecem-se dos seus pecados ao ouvirem:

Se dissermos que estamos sem pecado, iludimo-nos a nós próprios e a verdade não está em nós;[iv]

regozijam-se das suas obras quando ouvem:

Deus ama o que dá com alegria.[v]

Da mesma maneira, conforme são débeis ou fortes __ assim eles receiam ser tentados ou desejam ser provados, entristecem-se nas tentações ou nas tentações se regozijam; receiam ser tentados ao ouvirem:

Se alguém for encontrado em falta, vós, que sois espirituais, instrui-o em espírito e doçura, mas acautela-te não sejas tu tentado;[vi]

desejam ser tentados ao ouvirem aquele varão forte da Cidade de Deus dizer:

Prova-me, Senhor, tenta-me; queima os meus rins} o meu coração;[vii]

entristecem -se nas tentações ao verem Pedro chorar; regozijam-se nas tentações ao ouvirem Tiago dizer:

Considerai tudo com alegria, meus irmãos, quando assediados pelas tentações.[viii]

Mas eles não se com ovem comestes sentimentos olhando apenas para si próprios, mas olhando também para aqueles cuja salvação desejam e cuja perdição receiam — entristecendo-se se eles perecem, regozijando-se se eles são libertados. Lembremos aquele varão, o melhor e o mais forte, que se glorifica nas suas enfermidades; lembremos, principalmente nós que viemos dos gentios para a Igreja de Cristo, esse doutor das «gentes», mestre na fé e na verdade; ele trabalhou mais que todos os outros apóstolos e por meio de múltiplas epístolas, instrui os povos de Deus, tanto aqueles que via no seu tempo como também aqueles que previu que haviam de vir; este varão, digo eu, atleta de Cristo, por Ele instruído, ungido por Ele, com ele crucificado, n’Ele glorioso, foi, no teatro deste mundo, um espectáculo para os anjos e para os homens, com batendo lealmente o grande com bate, lançando-se para a meta para recolher a palma da vocação celeste.

Com os olhos da fé maravilhados vêem-no regozijar-se com os que se regozijam, chorar com os que choram, com lutas por fora e tem ores por dentro, desejando dissolver-se para estar com Cristo, aspirando ver os Romanos para, junto deles, ter algum fruto como entre os outros povos;

estimulando os Coríntios e receando esse estímulo, não vá acontecer que o seu espírito se afaste do desejo casto de Cristo;

sentindo uma grande tristeza e uma dor contínua do coração a propósito dos Israelitas porque estes, ignorando a justiça de Deus e querendo estabelecer a sua, não se submetem à justiça de Deus;

e não é só dor, mas também pranto que manifesta aos que antes tinham pecado e não fizeram penitência da sua impureza e das suas fornicações
.
Se estes movimentos, estes afectos, que procedem do amor do bem e da santa caridade, se devem chamar «vícios », teremos que admitir que os verdadeiros vícios se amem virtudes. Mas, se esses afectos seguem a recta razão quando tendem para o seu fim conveniente, quem se atreverá então a chamar-lhes enfermidades ou paixões viciosas? Foi por isso que o Senhor, Ele próprio, que se dignou levar a vida humana na forma de escravo, mas sem ter absolutamente nenhum pecado, usou delas quando julgou que convinha tazê-lo. Realmente, não era falso o afecto humano de quem tinha verdadeiro corpo e verdadeiro espírito de homem. E quando o Evangelho conta a seu respeito que Ele sentiu tristeza e ira devido à dureza do coração dos Judeus;

que Ele disse:

Por vossa causa estou alegre ao pensar que tendes fé;[ix]

que Ele chora antes de ressuscitar Lázaro;

que desejou comer a Páscoa com os seus próprios discípulos;

que a sua alma mergulhou na tristeza ao aproximar-se a paixão — com certeza nada disto que se conta é falso. Mas, em conformidade com um determinado desígnio, quis experimentar estas emoções na sua alma humana tal qual como se quis tornar homem.

De resto, devemos confessá-lo, os nossos afectos, mesmo quando são rectos e como a Deus apraz, pertencem a esta vida, não à vida futura que esperamos, e muitas vezes cedemos-lhe contra vontade. Às vezes um a emoção, apesar de não devida a um culpável desejo, mas a louvável caridade, faz-nos chorar mesmo que não queiramos. Temo-los, devido à debilidade da condição humana. Mas não é assim o Senhor Jesus; a sua própria fraqueza resultou da sua potestade. Mas enquanto somos portadores da debilidade desta vida, se não tivéssemos nenhum deles seria caso para dizermos que a nossa vida era defeituosa. Por isso o Apóstolo vituperava e detestava certos homens que dizia serem desprovidos de afectos. Também o salmo sagrado incrimina aqueles de quem diz:

Esperei por alguém que partilhasse a minha tristeza e ninguém apareceu.[x]


(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)





[i] 1 Corínt., XV, 54.
[ii] Mt., X X IV, 12.
[iii] Mt., X, 22.
[iv] I Jo, I, 8.
[v] II Corínt., IX, 7.
[vi] Galat, VI, 4.
[vii] Salmo X X V, 2.
[viii] Tiago, I, 2.
[ix] Jo, X I, 15.
[x] Salmo XLVIII. 21.

Sem comentários:

Enviar um comentário