05/12/2016

Leitura espiritual



JESUS CRISTO NOSSO SALVADOR

Iniciação à Cristologia


PRÓLOGO



«Que procures Cristo: Que encontres Cristo: Que ames Cristo».[i] Este santo e experiente conselho marca todo um itinerário de vida espiritual que nos conduz até à união e identificação com Jesus Cristo.


A primeira etapa desse itinerário corresponde à aspiração de fé viva que o salmista expressa: «Senhor, procuro o Teu rosto» [ii]. Para tal faz falta em primeiro lugar a leitura assídua da sagrada Escritura, assim como contemplar na intimidade do nosso coração todos os actos e palavras do Senhor, tal como fazia Maria Santíssima. E é indubitável também que a leitura de outras obras adequadas pode servir-nos de grande ajuda.


Pois bem, este livro de iniciação à Cristologia integra-se nessa tarefa e tem a finalidade de facilitar a um amplo círculo de pessoas um maior conhecimento da maravilhosa riqueza e profundidade insondável do mistério de Cristo [iii].


Por ser teologia, este manual quer ser um pouco mais profundo e explicativo que uma simples catequese. Tem o método e a estrutura de um tratado teológico sistemático, assim como a terminologia própria, que temos procurado explicar com simplicidade. Por este motivo também se incluíram citações e referências da Sagrada Escritura, assim como muitas outras do Magistério da Igreja e algumas de São Tomás de Aquino, a quem o Concílio Vaticano II recomenda como guia nestes estudos [iv]. E, naturalmente, cita-se com frequência o catecismo da Igreja Católica que sintetiza com precisão e autoridade os diferentes temas.


E por ser só uma iniciação, este livro é necessariamente breve. E por este motivo se omitiram alguns temas que parecem mais secundários, assim como se evitou o mais possível incluir nomes, opiniões e citações de outros diversos autores.



Desta forma, como se trata de um texto teológico conciso e resumido, e não de uma obra histórica ou ascética, requer do leitor um certo esforço de estudo detido e atento.


Que a Virgem Santíssima faça com que este livro sirva para «crescer no conhecimento de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo», como nos propõe São Pedro [v], e que nos estimule a percorrer as etapas seguintes da vida cristã de modo que cheguemos a um encontro pessoal com o nosso salvador, participemos da Sua obra salvífica e O sirvamos na extensão do Seu Reino na terra, tornando partícipes da redenção salvadora, todos os homens. Assim contribuiremos para transformar o mundo e a história de acordo com a amável vontade de Deus.


Capítulo I


INTRODUÇÃO: A CRISTOLOGIA, CIÊNCIA TEOLÓGICA ACERCA DE JESUS CRISTO.

       
1.          O tratado teológico sobre Jesus Cristo


a) O objecto da cristologia


A cristologia é uma parte da teologia que trata sobre Cristo. Estuda Jesus Cristo em Si mesmo – o mistério da Sua pessoa, como Deus e homem verdadeiro que viveu numas determinadas condições históricas -, e Jesus na economia da salvação – como Messias, Redentor e nosso Salvador -, tal como nos propõe da fé da Igreja.


O objecto da nossa fé sobre Cristo, que é, por sua vez, o objecto da cristologia, não é uma fórmula vazia, nem uma ideologia determinada, mas uma realidade concreta que podemos declarar assim: «Nós acreditamos e confessamos que Jesus de Nazaré, nascido de uma judia de Israel, em Belém no tempo do rei Herodes o Grande e do imperador César Augusto; carpinteiro de ofício, morto crucificado em Jerusalém, sob o procurador Pôncio Pilatos, durante o reinado do imperador Tibério, é o Filho eterno de Deus feito homem, que ‘saiu de Deus[vi], ‘baixou do céu[vii], ‘veio em carne[viii], porque ‘a Palavra se fez carne (…) e vimos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho único, cheio de graça e de verdade (…) Pois da sua plenitude recebemos todos, e graça por graça[ix]. [x]


b) O mistério de Cristo


Sabemos que «o mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É o mistério de Deus em si mesmo. É, pois, a fonte de todos os outros mistérios da fé; á a luz que nos ilumina» [xi] A fé da Igreja resume-se no mistério da Santíssima Trindade em si mesma e no mistério do «desígnio benevolente da sua vontade» [xii] acerca da salvação de todos os homens.


E todo esse desígnio divino da nossa salvação centra-se em Cristo: O Pai realiza o «mistério da sua vontade» [xiii] enviando o seu Filho amado para a salvação de todo o mundo, e por meio d’Ele comunicando-nos o seu espírito. Este admirável desígnio divino é o «mistério que estava escondido em Deus desde séculos» [xiv], e que se revelou e se realiza na história por meio de Jesus Cristo.


A dispensa ou realização desse plano da benevolência divina da salvação dos homens é designada no Novo testamento como «o mistério de Cristo», pois Ele é o seu centro [xv]. Assim, pois, pode dizer-se que o mistério de Cristo que se refere à sua pessoa e à sua obra de salvação, reúne e resume todos os artigos da fé: os que se referem à Trindade, pois Ele é Deus, o Filho do Pai, e nos revela a Trindade; e os que se referem aos desígnios e obras de Deus, pois Ele realizou o plano da sua vontade salvífica.


2. A fé e a razão humana ante o mistério de Cristo


a) Necessidade da fé para conhecer Cristo


Ao falar do mistério de Cristo, estamos afirmando que n’Ele há uma realidade oculta e divina que nos transcende, e que nele também há uma realidade visível, sinal dessa realidade oculta, e que ao mesmo tempo a encobre, e que é a sua presença física entre os homens e a sua actuação na história.


Mediante os métodos próprios da história podemos chegar a conhecer cada vez melhor a realidade visível da vida de Jesus. Mas unicamente mediante a revelação divina e a fé podemos transcender o externo e chegar a conhecer quem é Ele verdadeiramente, já que «ninguém conhece o Filho senão o Pai» [xvi], e, como Ele mesmo dizia: «Ninguém pode vir a mim se não o atrair o Pai que me enviou» [xvii].


Vejamo-lo no episódio que nos narra São Mateus, testemunha desse acontecimento: «Vindo Jesus à região de Cesareia de Filipe, perguntou aos discípulos: Quem dizem os homens que é o Filho homem? Eles responderam: uns, que João Baptista; outros, que Elias; outros, que Jeremias ou outro dos Profetas» [xviii]. São diversas opiniões ante a figura de Cristo e as suas admiráveis obras: «É um homem de Deus». Esta é uma resposta humana, uma conclusão a que chega a razão dos homens.
Mas Jesus continua perguntando: «E vós, quem dizeis que eu sou?». E Pedro responde: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo». E Jesus acrescenta: «bem-aventurado és, Simão, filho de João, porque não tal não te foi revelado nem a carne nem o sangue, mas sim meu Pai que está nos céus» [xix]. Essa confissão não era fruto de uma dedução de Pedro a partir das suas luzes naturais mas um dom e revelação de Deus; não é uma resposta humana, mas uma resposta de Deus Pai que declara a verdade e a realidade de Jesus muito acima da opinião dos homens.


Assim, pois, não é suficiente considerar Jesus como um personagem digno de interesse histórico, teológico, espiritual ou social; nem o considerar, inclusive, como o ideal humano de uma religiosidade sincera e profunda, o do amor aos outros, ou de uma profunda sabedoria moral. É necessário ver Jesus com os olhos da fé para o conhecer verdadeiramente e confessar como Pedro: «Tu és o Messias. O Filho de Deus vivo».


b) O papel da razão ante o mistério de Cristo


A nossa fé tem uma base real e histórica: parte integrante da nossa fé são os acontecimentos históricos do nascimento de Cristo, da sua vida e da sua actividade neste mundo, da sua Morte e da sua Ressurreição, etc. Jesus Cristo, que é o objecto da fé da Igreja, não é um mito: é um homem que viveu num contexto histórico concreto, e os acontecimentos da sua existência foram reais e comprováveis.


Por isso, ainda que a razão humana não possa só com a suas forças chegar a conhecer os mistérios de Deus, nem pode chegar a compreender Cristo, todavia, desempenha uma função importante no conhecimento de muitas coisas da vida histórica do Senhor.


Precisamente o Novo testamento está escrito como uma narração do, realmente acontecido e do ensinado por Jesus [xx], certamente com o fim de suscitar a fé [xxi], mas sem que essa finalidade retire algo ao carácter real e histórico do consignado. Com efeito, os apóstolos apresentam-se como testemunhas desses acontecimentos.


Mais, os conhecimentos da vida de Cristo que a razão humana pode aportar facilitam a fé, pois as suas obras dão testemunho d’Ele [xxii], são o selo da missão divina, e fazem ver que a fé é razoável e não um movimento cego do espírito.

(cont)

Vicente Ferrer Barriendos

(Tradução do castelhano por ama)





[i] S. JOSEMARÍA ESCRIVÁ, Caminho, 382.
[ii] (Sal 27/26,8)
[iii] (cf. Flp 3,8; Ef 3,8)
[iv] Cf. CONC. VATICANO II, Optatam totius, 16.
[v] (2 Pd 3,18)
[vi] (Jo 13,3)
[vii] (Jo 3,13; 6,33)
[viii] (1 Jo 4,2)
[ix] (Jo 1,14.16)
[x] CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA (CCE), 423.
[xi] CCE, 434.
[xii] (Ef 1,9)
[xiii] (Ef 1,9)
[xiv] (Ef 3,9)
[xv] (cf. Ef 3,1 – 12)
[xvi] (Mt 11,27)
[xvii] (Jo 6,44)
[xviii] (Mt 16,13-14)
[xix] (Mt 16,15-17)
[xx] (cf. Lc 1,1-4)
[xxi] (cf. Jo 20,21)
[xxii] (cf. Jo 10,25)

Sem comentários:

Enviar um comentário