12/09/2016

Diálogos apostólicos

Diálogos apostólicos II Parte
15 - [1]

Nestes tempos conturbados por vezes é difícil manter a serenidade no matrimónio.
Que me dizes sobre esta realidade que provoca, por vezes, desastrosos desfechos.

Respondo:

Talvez que uma das situações da vida humana onde a serenidade se
mostre mais necessária seja no matrimónio.
Os cônjuges têm, quase sempre, maneiras de ser diferentes e, consequentemente, as formas de encarar os factos e incidentes da vida comum podem não coincidir.
Daqui que seja frequente a discussão mais ou menos acesa, sobre o assunto em causa.
A ausência de serenidade, em pelo menos um dos cônjuges, pode levar a algum extremismo de posições, transformando o que começara por ser uma discussão normal entre dois adultos que se amam, numa altercação viva e ruidosa em que se vai perdendo o controlo das palavras e das emoções, continuando na sublimação dos defeitos de cada um como se estivessem a discutir duas pessoas que se odeiam.
                                                           
O final é sempre um mal-estar entre o casal em que nenhum dos dois
quer ceder nos seus pontos de vista, surgindo um mau humor mais ou
menos perdurável menos que aquele que estiver mais sereno diga uma palavra que contenha o mau humor até mais tarde. [i]


[1] Nota: Normalmente, estes “Diálogos apostólicos”, são publicados sob a forma de resumos e excertos de conversas semanais. Hoje, porém, dado o assunto, pareceu-me de interesse publicar quase na íntegra.



[i] (Cfr, ama, in Migalhas para o Caminho I, pg. 47)

Sem comentários:

Enviar um comentário