29/06/2018

Tratado das virtudes

Questão 64: Do meio-termo das virtudes.

Art. 3 — Se as virtudes intelectuais consistem num meio-termo. [1]

O terceiro discute-se assim. — Parece que as virtudes intelectuais não consistem num meio-termo.

1. — Pois, as virtudes morais consistem num meio-termo por se submeterem à regra da razão. Ora, como as virtudes intelectuais existem na razão mesma, não podem estar sujeitas a uma regra superior. Logo, as virtudes intelectuais não consistem num meio-termo.

2. Demais. — O meio-termo da virtude moral é determinado pela virtude intelectual, conforme o dito de Aristóteles: a virtude consiste num meio-termo determinado pela razão, como o determinaria o sábio [2]. Se pois, a virtude intelectual consistir ainda num outro meio termo, esse lhe há de ser determinado por alguma outra virtude, e assim proceder-se-ia ao infinito.

3. Demais. — Termo médio existe, propriamente, entre contrários, como se vê claramente no Filósofo [3]. Ora, no intelecto não pode haver nenhuma contrariedade, porque os próprios contrários — como preto e branco, são e doente — enquanto nele existentes, deixam de ser tais. Logo, nas virtudes intelectuais não há meio-termo.

Mas, em contrário, a arte é uma virtude intelectual, como já se disse [4] e contudo, é um meio termo, como também já se estabeleceu [5]. Logo, a virtude intelectual consiste num meio-termo.


O bem de um ser consiste num meio-termo, enquanto se submete à regra ou à medida, que pode ultrapassar ou não alcançar, como já dissemos [6]. Ora, tanto a virtude intelectual como a moral ordenam-se para o bem, segundo ficou estabelecido [7]. Donde, estando o bem da virtude intelectual sujeito à medida, está sujeito também ao meio-termo da razão. Ora, o bem da virtude intelectual é o verdadeiro: o verdadeiro absoluto, da virtude especulativa, como se disse [8]; e o da virtude prática, o verdadeiro conforme ao apetite recto.

A verdade do nosso intelecto, absolutamente considerada, é como medida pela realidade. Pois a realidade é a medida do nosso intelecto, segundo se disse [9]; pois, a verdade de uma opinião ou de uma oração depende de uma realidade que é ou não é. Assim, pois, o bem da virtude intelectual especulativa consiste num certo meio-termo conforme a própria realidade, enquanto diz ser o que é, e não ser o que não é; e nisso consiste a essência da verdade. O excesso manifesta-se na afirmação falsa, que diz ser o que não é; e o defeito, em a negação falsa, que diz não ser o que é.

Por outro lado, a verdade da virtude intelectual prática, comparada com a realidade, está para ela como o que é medido; e assim, tanto nas virtudes intelectuais práticas, como nas especulativas, o meio-termo é considerado na sua conformidade com a realidade. Mas em relação ao apetite, ele exerce o papel de regra e medida. Donde, o meio-termo da virtude moral, i. é, a rectidão da razão, é também o da prudência; mas desta, enquanto regula e mede e daquela, como medida e regulada. Semelhantemente, o excesso e o defeito são tomados em acepções diversas, num e noutro caso.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJECÇÃO. — Também a virtude moral tem a sua medida, como dissemos; e é pela conformidade com esta que é considerado o meio-termo daquela.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Não há necessidade de proceder ao infinito, em relação às virtudes, porque a medida e a regra da virtude intelectual não é algum outro género de virtude, mas a própria realidade.

RESPOSTA À TERCEIRA. — As coisas contrárias, em si mesmas, não têm contrariedade na alma, porque um é a razão de conhecermos o outro; e contudo, no intelecto, há a contrariedade da afirmação e da negação, que são contrárias entre si, como se diz no fim do Perihermeneias. Pois, embora o ser e o não-ser não sejam contrários, mas opostos por contrariedade, se os considerarmos como existentes na realidade, porque um é ente e outro, puro não-ente; contudo, referidos ao acto da alma, um e outro exprimem algum ser. Donde, o ser e o não-ser são contraditórios; mas a opinião que considera o bem como bem é contrária a que o considera como não-bem. E entre esses contrários o meio-termo é a virtude intelectual.

Revisão da versão portuguesa por AMA




[1] (III Sent., dist. XXXIII, q. 1. a. 3, qª 3; De Virtut., q. 1, a. 1; q. 4, a. 1, ad 7).
[2] II Ethic., lect. VII.
[3] X Metaph., lect. IX.
[4] VI Ethic. (lect. III).
[5] II Ethic. (lect. VI).
[6] Q. 64, a. 1.
[7] Q. 56, a. 3.
[8] VI Ethic. (lect. II).
[9] X Metaph. (lect. II).