01/06/2017

Evangelho e comentário

Tempo de Páscoa


Evangelho: Jo 17, 20-26

20Não rogo só por eles, mas também por aqueles que hão-de crer em mim, por meio da sua palavra, 21para que todos sejam um só, como Tu, Pai, estás em mim e Eu em ti; para que assim eles estejam em Nós e o mundo creia que Tu me enviaste. 22Eu dei-lhes a glória que Tu me deste, de modo que sejam um, como Nós somos Um. 23Eu neles e Tu em mim, para que eles cheguem à perfeição da unidade e assim o mundo reconheça que Tu me enviaste e que os amaste a eles como a mim. 24Pai, quero que onde Eu estiver estejam também comigo aqueles que Tu me confiaste, para que contemplem a minha glória, a glória que me deste, por me teres amado antes da criação do mundo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas Eu conheci-te e estes reconheceram que Tu me enviaste. 26Eu dei-lhes a conhecer quem Tu és e continuarei a dar-te a conhecer, a fim de que o amor que me tiveste esteja neles e Eu esteja neles também.»

Comentário:

Todo o capítulo 17 do Evangelho de São João é um discurso testamentário.
Jesus ao pedir ao Pai por todos os que O seguem e, também, os que O hão-de seguir ao longo dos tempos, pede também pela união de todos porque só unidos poderão vencer o mundo e conquistar almas para o Reino.
Ao longo dos tempos – também hoje em dia – sabemos muito bem os resultados catastróficos da falta de união entre os cristãos. As perdas – por vezes irreparáveis – de populações inteiras atraídas por falsos profetas – lobos vestidos de cordeiros – ou desorientados pela desunião entre os pastores que deveriam conduzir o rebanho como um todo.
Os homens – alguns homens – tomaram a Igreja como sua o que foi e é um abuso sem qualificação porque a Igreja é, pertence inteira e unicamente ao seu Fundador e Cabeça: Jesus Cristo Nosso Senhor.

(AMA, comentário sobre Jo 17, 20-26, 19.01.2017)





Sem comentários:

Enviar um comentário