30/05/2017

Leitura espiritual

A CIDADE DE DEUS 

Vol. 2

LIVRO XIV

CAPÍTULO XXII

Acerca da união conjugal desde as origens instituída e abençoada por Deus.

Nós é que não temos a menor dúvida de que, conforme a bênção de Deus, «crescer, multiplicar-se e encher a Terra» é um dom das núpcias que Deus instituiu desde o princípio, antes do pecado do homem, quando os criou homem e mulher, diferença de sexo que ficou bem patente na carne. Efectivamente, foi logo após esta obra de Deus que se seguiu a sua bênção.

Na verdade, quando a Escritura disse:

Fê-los homem e mulher [i],

acrescentou imediatamente:

E Deus abençoou-os dizendo: Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra e dominai-a, etc.
[ii].

Tudo isto se poderia reportar sem inconveniente a um sentido espiritual, mas as palavras «homem» (masculus) e «mulher» (femina) não se podem entender como qualquer coisa de semelhante a um só homem, com o se nele uma fosse a parte que com anda e a outra a que é comandada.

Mostra-se com toda a evidência que foram criados «homem» e «mulher», com corpos de sexo diferente para que, gerando filhos, «crescessem, se multiplicassem e enchessem a Terra»: negá-lo seria um grande absurdo.

Não é de um espírito que com anda nem duma carne que obedece que se trata, nem dum a alma racional que governa e dum desejo irracional que é governado, nem duma virtude contemplativa que domina e duma virtude activa que se submete, nem do intelecto da mente e do  sentido do corpo: trata-se sim, e bem claramente, do vínculo conjugal pelo qual os dois sexos se unem um ao outro e a propósito do qual o Senhor foi interrogado se era permitido repudiar a mulher por qualquer causa

— pois que Moisés, por causa da dureza de coração dos Israelitas, permitiu que se passasse um bilhete (libellus) de repúdio.

Mas ele respondeu:

Não lestes que, quem no princípio os fez, homem e mulher os fez e disse: Por causa disso deixará o homem pai e mãe e unir-se-á à sua esposa, e serão dois numa só came? É que já não são dois, mas uma só carne. Pois então não separe o homem o que Deus uniu [iii].

E, portanto, certo que eles foram instituídos «homem e mulher» desde o princípio, com o vemos e reconhecemos agora os homens em dois sexos diferenciados. E quando se diz que são um só, isso se diz por causa da sua união ou então por causa da origem da mulher criada do «lado» do «homem» (masculus). Por isto o Apóstolo, devido a este primeiro exemplo que o próprio Deus propôs, exorta cada um em particular a que os varões amem as suas esposas.



(cont)

(Revisão da versão portuguesa por ama)




[i] Gén., I, 27.
[ii] Gen., I, 27-28.
[iii] Mt., X IX, 4-6.

Sem comentários:

Enviar um comentário